Hoje o mito Bob Dylan faz 70 anos e para comemorar essa data maravilhosa a Rolling Stone americana fez a seleção das 70 melhores músicas de Dylan, escolhidas por uma comissão e por artistas como Bono Vox e Mick Jagger.

Eis as 10 primeiras músicas:

1 – Like a Rolling Stone (Highway 61 Revisited, 1965)

2 – A Hard Rain’s A-Gonna Fall (The Freewheelin’ Bob Dylan, 1963)

3 – Tangled Up in Blue (Blood On The Tracks, 1975)

4 – Just Like a Woman (Blonde On Blonde, 1966)

5- All Along the Watchtower (John Wesley Harding, 1967)

*Versão do Jimi Hendrix

6 – I Shall Be Released (Bob Dylan’s Greatest Hits, Vol.2)

7 – It’s Alright, Ma (I’m Only Bleeding) (Bringing It All Back Home, 1965)

8 – Mr. Tambourine Man (Bringing It All Back Home, 1965)

9 – Visions of Johanna (Blonde On Blonde, 1966)

10 – Every Grain of Sand (Shot Of Love, 1981)


Deu na edição atual da Rolling Stone americana.

É o seguinte. Mumford & Sons, Edward Sharpe and the Magnetic Zeros e Old Crow Medicine Show entraram num trem e saíram incursionando pelos Estados Unidos fazendo shows a cada parada. É isso mesmo.

Inspirado no Festival Express de 1970 que rodou o Canadá com Grateful Dead e Janis Joplin, o Railroad Revival Tour saiu de Oakland em 21 de abril e chegou em New Orleans no dia 27 de abril, fazendo 6 paradas (Oakland, San Pedro, Tempe, Marfa, Austin e New Orleans) e fazendo shows em cada uma dessas paradas. O tour aconteceu na hora certa, principalmente para os caras do Mumford & Sons: alguns meses antes eles tinham feito uma apresentação ótima com Bob Dylan no Grammy e seu álbum Sigh No More chegou a ser o segundo mais vendido no Reino Unido.

O Railroad Revival Tour foi tão bem sucedido que vai até virar um filme. Ainda neste ano Emmett Malloy, que já fez vídeos pro Jack Johnson, Vampire Weekend e Metallica e dirigiu o documentário Under Great White Northern Lights do White Stripes, lançará um filme sobre a semana dos 130 passageiros do trem (entre eles o ator Jake Gyllenhaal, amigo dos Mumfords) e sobre os 6 shows.


Finalmente.

– L7, Reading Festival (1992)

– The Jimi Hendrix Experience, Monterey Pop Festival (1967)

– Grace Jones, Latitude (2009)

– Arctic Monkeys, Reading and Leads Festival (2005)

– Girls Aloud, V Festival (2006)

– Eminem, Reading Festival (2001)

– David Bowie, Glastonbury (1971)

– Beck, V Festival (2006)

– Arcade Fire, Lollapalooza (2005)

– Basement Jaxx, Glastonbury (2005)


Tá acabando.

– Paul McCartney, Glastonbury (2004)

– Madness, Bestival (2007)

– The Libertines, Reading and Leeds Festival (2010)

– Queen, Live Aid (1985)

– Pixies, Reading Festival (1990)

– Franz Ferdinand, T In The Park (2006)

– The Who, Woodstock (1969)

– New Order, Reading Festival (1998)

– Orbital, Glastonbury (1994)

– Led Zeppelin, Bath Festival (1970)


Parece que foi-se o tempo em que todas as bandas eram “The” something. The Beatles, The Rolling Stones, The Who deram espaço às bandas sem artigo algum em seus nomes. E parece que Pink Floyd, Kiss, Queen, Oasis, Blur, Red Hot Chilli Pepper estão dando espaço às bandas que voltam a ter um artigo em seu nome, porém com uma palavra antes. É o caso de Cage the Elephant, Young the Giant e Foster the People.

Na verdade, toda essa viagem acima foi apenas para relacionar essas três bandas.

Além de terem seus nomes formados pelo mesmo método, essas três bandas têm outras coisas em comum: são americanas e ótimas.

Começando com a mais velha, Young the Giant.

A banda foi formada em 2004, na California, mas apesar disso ninguém nunca ouviu falar de Young the Giant até 2010. Por um simples motivo: até dezembro de 2009 eles eram “The Jakes”. O quinteto californiano tem apenas um álbum, com o criativo nome de “Young the Giant”, que, aliás, foi lançado fisicamente no Reino Unido na última segunda feira (apesar de ter sido lançado digitalmente em outubro de 2010). A principal música da banda é “My Body”, que chegou a atingir a 5º posição no ranking de músicas alternativas dos Estados Unidos.

Seguindo a ordem cronológica, conheça Cage the Elephant.

Apesar da foto no estilo Restart, Cage the Elephant não tem nada a ver com a meninada colorida do Brasil. Primeiro porque eles são bons.

Formada em Kentucky no ano de 2006, essa talvez seja a banda mais conhecida das três aqui citadas. E realmente faz por merecer. O quinteto americano tem dois álbuns de estúdio, “Cage the Elephant”, de 2008, e o ótimo “Thank You, Happy Birthday”, fresquinho, de 2011. Esse segundo álbum da banda chegou a ser o segundo mais vendido nos Estados Unidos segundo o ranking da Billboard, e a principal música desse CD, a também ótima “Shake Me Down”, liderou os rankings de singles de rock e música alternativa. Pra fechar, eles fizeram uma linda apresentação no segundo dia do Coachella desse ano.

E como você pode perceber no vídeo do Coachella, sim, é comum o vocalista Matthew Shultz tocar de vestido.

Vídeo oficial de “Shake Me Down”

E, para finalizar, Foster the People.

Foster the People é um trio formado em Los Angeles em 2009, liderado por Mark Foster. Com um estilo que passeia entre o rock alternativo e a música eletrônica, passando por indie rock e synthpop, os meninos estão com um álbum prestes a ser lançado. Levando em conta que o primeiro trabalho deles foi um EP chamado “Foster the People”, “Torches”, que será lançado em 23 de maio, será o seu primeiro álbum. Mas mesmo sem um álbum propriamente dito, o trio californiano chamou a atenção participando do SXSW e do Coachella desse ano. A principal música dos caras é “Pumped Up Kicks”, que chegou a 6ª posição no ranking da Billboard de músicas alternativas e na 32ª posição da lista de 100 melhores músicas de 2010 elaborada pela rádio australiana Triple J.


Terceira parte da lista das 50 melhores apresentações em festivais.

– The Rolling Stones, Altamont (1969)

– The Smiths, Glastonbury (1984)

– The Verve, Glastonbury (2008)

– Primal Scream, Reading Festival (1994)

– U2, Live Aid (1985)

– Rage Against The Machine, Reading and Leeds Festival (2008)

– T-Rex, Stamping Ground (1970)

– Underworld, Reading Festival (1996)

– Queens Of The Stone Age, Glastonbury (2002)

– Kevin Rowland, Reading (1999)


“A very promising new band, tell your friends you saw them first” é o que diz Huw Stephens, dj da BBC Radio 1 sobre Let’s Buy Happiness. O quinteto, que foi formado quando James Hall chamou sua irmã mais velha, Sarah Hall, para ser a vocalista de sua banda, lançou em 2009 seu primeiro EP “No Hot Ashes” de forma independente e começou a ganhar certa notoriedade com a faixa “Works Better on Paper”, chamando a atenção de um pessoal da BBC, que acabou os convidando para uma apresentação ao vivo na BBC’s Introducing week.

Depois disso, Let’s Buy Happiness só cresceu, tocou no Glastonbury de 2010 e teve o auge de seu sucesso (até agora) no lançamento do single “Six Wolves”, com direito a estreia no programa do próprio Huw Stephens e reviews da mídia especializada (NME, The Guardian e Q Magazine).

A banda de Newcastle, que segue a linha de Modest Mouse, Tokyo Police Club e Brand New e chega a ser comparada com Two Door Cinema Club e Noah And The Whale, deve lançar seu álbum de estreia ainda nesse ano e tem tudo pra crescer cada vez mais. Com certeza é uma das bandas para ficar de olho nesse segundo semestre.